Pristina.org - Everything Design since 2005

Representando Corpos Humanos de Jenny Saville ArteFelipe Tofani on 27/08/2019

O corpo humano no olhar e nas pinturas de Jenny Saville
Quando Jenny Saville pinta, ela usa de tinta a óleo e acaba aplicando essa tinta em pesadas camadas que acabam se tornando bem viscerais e ponto de me lembrar muito a própria carne. Cada pincelada, cada marca pintada parece ser flexível, como se tivesse vida própria. E a medida que a artista vai colocando mais tinta e trabalhando com todos os pigmentos de suas telas, a distinção entre os corpos pintados e os corpos humanos vai entrando em colapso.

De acordo com a artista Jenny Saville, a percepção que temos do corpo humano é tão aguda que a menor sugestão de um corpo acaba desencadeando o reconhecimento. Talvez, por isso mesmo que ela representa a forma humana transcendendo os limites da figuração clássica e do que chamaria de abstração moderna.

Quando Jenny Saville pinta, ela usa de tinta a óleo e acaba aplicando essa tinta em pesadas camadas que acabam se tornando bem viscerais e ponto de me lembrar muito a própria carne. Cada pincelada, cada marca pintada parece ser flexível, como se tivesse vida própria. E a medida que a artista vai colocando mais tinta e trabalhando com todos os pigmentos de suas telas, a distinção entre os corpos pintados e os corpos humanos vai entrando em colapso.

De acordo com o artista Jenny Saville, a percepção que temos do corpo humano é tão aguda que a menor sugestão de um corpo acaba desencadeando o reconhecimento. Talvez, por isso mesmo que ela representa a forma humana transcendendo os limites da figuração clássica e do que chamaria de abstração moderna.

De acordo com o artista Jenny Saville, a percepção que temos do corpo humano é tão aguda que a menor sugestão de um corpo acaba desencadeando o reconhecimento. Talvez, por isso mesmo que ela representa a forma humana transcendendo os limites da figuração clássica e do que chamaria de abstração moderna.

De acordo com o artista Jenny Saville, a percepção que temos do corpo humano é tão aguda que a menor sugestão de um corpo acaba desencadeando o reconhecimento. Talvez, por isso mesmo que ela representa a forma humana transcendendo os limites da figuração clássica e do que chamaria de abstração moderna.

Jenny Saville nasceu em Cambridge, na Inglaterra, em 1970. Ela foi para a Escócia estudar na Glasgow School of Art entre 1988 e 1992 e, também, passou um período estudando na Universidade de Cincinnati em 1991. Durante seus anos de estudo, ela se concentrou em entender as imperfeições da carne, incluindo ai as implicações políticas e sociais.

Durante um período em Connecticut em 1994, onde estava em uma bolsa de estudos, a artista pode passar um tempo observando o trabalho de um cirurgião plástico de Nova Iorque. Ela conseguiu usar desse tempo para estudar a reconstrução da carne humana e observar sua resiliência e sua fragilidade. Foi esse período de estudos que alimentou seu exame de formas e como que a carne é desfigurada e transformada.

De acordo com o artista Jenny Saville, a percepção que temos do corpo humano é tão aguda que a menor sugestão de um corpo acaba desencadeando o reconhecimento. Talvez, por isso mesmo que ela representa a forma humana transcendendo os limites da figuração clássica e do que chamaria de abstração moderna.

De acordo com o artista Jenny Saville, a percepção que temos do corpo humano é tão aguda que a menor sugestão de um corpo acaba desencadeando o reconhecimento. Talvez, por isso mesmo que ela representa a forma humana transcendendo os limites da figuração clássica e do que chamaria de abstração moderna.

Quando Jenny Saville pinta, ela usa de tinta a óleo e acaba aplicando essa tinta em pesadas camadas que acabam se tornando bem viscerais e ponto de me lembrar muito a própria carne. Cada pincelada, cada marca pintada parece ser flexível, como se tivesse vida própria. E a medida que a artista vai colocando mais tinta e trabalhando com todos os pigmentos de suas telas, a distinção entre os corpos pintados e os corpos humanos vai entrando em colapso.

Quando Jenny Saville pinta, ela usa de tinta a óleo e acaba aplicando essa tinta em pesadas camadas que acabam se tornando bem viscerais e ponto de me lembrar muito a própria carne. Cada pincelada, cada marca pintada parece ser flexível, como se tivesse vida própria. E a medida que a artista vai colocando mais tinta e trabalhando com todos os pigmentos de suas telas, a distinção entre os corpos pintados e os corpos humanos vai entrando em colapso.

Quando Jenny Saville pinta, ela usa de tinta a óleo e acaba aplicando essa tinta em pesadas camadas que acabam se tornando bem viscerais e ponto de me lembrar muito a própria carne. Cada pincelada, cada marca pintada parece ser flexível, como se tivesse vida própria. E a medida que a artista vai colocando mais tinta e trabalhando com todos os pigmentos de suas telas, a distinção entre os corpos pintados e os corpos humanos vai entrando em colapso.

Quando Jenny Saville pinta, ela usa de tinta a óleo e acaba aplicando essa tinta em pesadas camadas que acabam se tornando bem viscerais e ponto de me lembrar muito a própria carne. Cada pincelada, cada marca pintada parece ser flexível, como se tivesse vida própria. E a medida que a artista vai colocando mais tinta e trabalhando com todos os pigmentos de suas telas, a distinção entre os corpos pintados e os corpos humanos vai entrando em colapso.

Quando Jenny Saville pinta, ela usa de tinta a óleo e acaba aplicando essa tinta em pesadas camadas que acabam se tornando bem viscerais e ponto de me lembrar muito a própria carne. Cada pincelada, cada marca pintada parece ser flexível, como se tivesse vida própria. E a medida que a artista vai colocando mais tinta e trabalhando com todos os pigmentos de suas telas, a distinção entre os corpos pintados e os corpos humanos vai entrando em colapso.

Jenny Saville é membro do grupo Jovens Artistas Britânicos, grupo esse que ganhou destaque no cenário artístico no final dos anos 80 e início dos anos 90. Lá, ela trabalhou para revigorar a pintura figurativa ao desafiar os limites de gênero. Para saber ainda mais sobre o trabalho de Jenny Saville, você precisa clicar no link abaixo.

Representando Corpos Humanos de Jenny Saville

Se você gostou do que viu aqui, você deveria seguir o blog no twitter ou seguir a revista digital do Pristina.org no Flipboard. Além disso, ainda temos nossa newsletter quase semanal.

Tagged: , , , , , , , , , , , , , , ,