Pristina.org - Everything Design since 2005

As Ilustrações Arquitetônicas da Fachada Frontal ArquiteturaFelipe Tofani on 15/10/2016

A Arquitetura de Belo Horizonte por Zema Vieira
O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

Foi essa pergunta que Zema Vieira tentou responder com a criação do Fachada Frontal. Usando apenas do AutoCAD, ela foi fazendo desenhos técnicos e ilustrações arquitetônicas de construções pelo mundo, com um foco bem grande na cidade de Belo Horizonte. Como sou mineiro, nascido e criado em Belo Horizonte, resolvi selecionar algumas das imagens que ela criou e acabei só utilizando aquelas da minha cidade natal. Para as outras, você precisa ir direto no site no final deste artigo.

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal surgiu por uma admiração pela maneira com que o projeto de arquitetura era representado antigamente. Não apenas as edificações, mas os projetos em si contavam com uma riqueza de detalhes e uma sensibilidade artística que, imagina-se, seria impossível de se reproduzir com a frieza das ferramentas de desenho técnico utilizadas hoje, os chamados softwares CAD. Surgiu, a partir daí, a curiosidade de tentar.

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O Fachada Frontal começou através da admiração que Zema Vieira sente pela maneira com que projetos de arquitetura eram representados no passado. Antigamente, as edificações e outros projetos eram projetados com uma riqueza de detalhes que mostrava uma sensibilidade estética quase artística. A pergunta é: será que essa estética poderia ser reproduzida hoje em dia com a frieza das ferramentas do desenho técnico?

O que mais chamou minha atenção nesse projeto de ilustração arquitetônica é como a simplicidade das cores das imagens contrasta bem com a complexividade e os detalhes de cada edifício. E mostra que, mesmo com a frieza das ferramentas de hoje, ainda é possível seguir uma estética artística usando delas. Tudo depende mesmo do projeto.

Se você gostou dos projetos arquitetônicos de Zema Vieira e seu Fachada Frontal, acompanhe ainda mais imagens nas redes sociais como facebook e instagram. Além de que, não se esqueça, de que todas as imagens acima estão a venda direto no link abaixo.

A Arquitetura de Belo Horizonte em Fachada Frontal de Zema Vieira

Se você gostou do que viu aqui, você deveria seguir o blog no twitter ou seguir a revista digital do Pristina.org no Flipboard. Além disso, ainda temos nossa newsletter quase semanal.
via

Tagged: , , , , , , , , ,